Camila Cabello ganha dois Moonman na grande noite do MTV Video Music Awards

21 ago 2018

MTV Video Music Awards (acrônimo VMA) é uma das maiores premiações da música americana criada em 1984 pela MTV, de forma a enaltecer os melhores videoclipes do ano. Originalmente concebidos como uma alternativa aos Grammy Awards, o MTV Video Music Awards é agora um programa de entrega de prêmios da cultura pop, rock e hip hop respeitado. É apresentado todos os anos e são emitidos pela MTV, e ocasionalmente pela MTV2 e VH1. A premiação normalmente acontece em Nova Iorque, mas em ocasiões passadas foi realizada em outras três cidades: Los Angeles, Las Vegas, e Miami. Suas categorias foram reformuladas a fim de prestigiar mais os artistas e as músicas, não deixando de prestigiar os melhores videoclipes produzidos durante o ano.

As estatuetas entregues aos vencedores são muitas vezes chamadas de Moonman (Homem da Lua) dado que a estatueta é um astronauta na Lua, o que representa uma das primeiras representações da MTV.

Ontem (20/08) ocorreu o VMAs e Camila estava concorrendo em cinco categorias, porém levou apenas duas sendo elas “Artista do Ano” e “Clipe do Ano” com “Havana”.

A categoria “Artista do Ano” no #VMAs foi criada em 2017, sendo assim, Camila Cabello é a primeira e única mulher a vencer em tal categoria.

• Artista do Ano

• Clipe do Ano

O MTV Video Music Award para Video of the Year (Clipe do Ano) é uma das mais prestigiadas categorias da premiação, uma cerimônia estabelecida a 14 de Setembro de 1984 que presenteia músicos pelos seus melhores vídeos musicais.

 

TRADUÇÃO: Entrevista de Camila Cabello para a Cosmopolitan UK.

04 maio 2018

“Regras da Camila”

COSMO: Conheça Camila Cabello, a musicista mais conhecida no mundo no momento, e possivelmente uma das mais motivadas.

Camila: “Não se acomode”

“Sempre se lembre o quão melhor você precisa ser”

“Eu aprendi a usar a pressão como vantagem”

COSMO: 3 da tarde de uma terça-feira à tarde e estou sentado em frente ao vidro da recepção do escritório de publicidade de Camila Cabello. Cabello está no meio de um turbilhão de turnês de publicidade em Londres e está atrasada. Mas essas coisas acontecem. Nas últimas 72 horas, a cantora já fez um ensaio de fotos para a Cosmopolitan, uma entrevista na Radio 1 com Nick Grimshaw, uma performance de Dancing On Ice [programa de TV britânico], outro ensaio de fotos street e pelo menos mais seis entrevistas diferentes para televisão.

Dez minutos depois, alguém de sua equipe aparece.

“Camila está pronta pra você agora”, ela sorri.

Eu sou conduzido a uma sala de reuniões com uma mesa de reunião no meio. Do tipo que se espera encontrar Donald Trump sentado no final, e não uma mulher pequena e dócil cujas franjas marrons caem sobre o rosto como um par de cortinas de uma mansão.

Uma mulher mais velha se senta ao seu lado de maneira protetora enquanto a jovem mulher folheia atenciosamente uma revista, dobrando os cantos das páginas com frequência. Essa é Camila Cabello, a maior estrela do pop no mundo, cercada por sua mãe.

CC:”Oi”,

COSMO: ela acena para mim enquanto sua mãe sorri e então se retira silenciosamente. Ela me diz que está cansada. Eu conto que estou cansado também, já que voei de LA na noite passada. Ambos rimos.

CC: “Só estou procurando por roupas que eu goste”,

COSMO: ela sorri ao continuar folheando a revista.

Poucos musicistas jovens podem competir com a trajetória de Cabello. Ela foi quem encontrou fama aos 15 anos no The X Factor (US) ao ser colocado em um grupo montado por Simon Cowell. A banda era Fifth Harmony, um dos girlgroups de mais sucesso nos últimos seis anos. Elas tiveram dois álbuns top 10, múltiplas turnês esgotadas, e então, no auge de sua fama, Cabello simplesmente sai. As companheiras de banda disseram estar “machucadas e confusas”, e pareceram demonstrar tais sentimentos ao empurrarem uma ‘Camila’ boneca do palco durante uma perfomance no VMAs da MTV no ano passado (e anunciaram um hiatus da banda em Março).

Mas nesse meio tempo, Cabello planejava silenciosamente, se preparando para liberar seu trabalho solo para o mundo. Em Agosto, ela simplesmente o fez. Havana, um single pop de influências latinas que homenageia a cidade onde ela nasceu, tem sido tocado em todas as estações de rádio no mundo e alcançado o número um em 22 países, incluindo os Estados Unidos e o Reino Unido, e assim permaneceu por cinco semanas.

Seu álbum, Camila, esteve entre o topo do iTunes em 99 países em Janeiro e foi direto o número um nos EUA. Ela também teve uma turnê esgotada, em um dia.

CC: “Nunca se acomode. Não importa o que qualquer pessoa me diga, eu sei que eu preciso de mais que um bom álbum para ter uma carreira”,

ela diz. “Mesmo quando alguém me diz que as estatísticas e números são incríveis, eu relembro a mim mesma de que se não se pode manter isso por uns 15 anos, como as maiores pessoas fizeram, então… é por isso que gosto de olhar para pessoas como Prince e Madonna porque isso me relembra – “Você tem muito o que fazer, querida, antes de parar de prender e crescer””.

COSMO: Ela acrescenta,

CC:“nunca deixe subir para a cabeça e lembre-se sempre o quão melhor você precisa ser.”

COSMO: Com uma conversa dessas, é fácil se esquecer que Cabello tem apenas 21 anos e ainda vive com os pais em Miami. Não restam dúvidas de que ela possui uma cabeça madura, visto que ela vem trabalhando solidamente com a indústria da música desde seus 15 anos, quando fez uma audição para o The X Factor (US).

CC: “Muitas das coisas que tive que aprender aos 15 anos ainda são praticadas por mim. Eu seria muito pior se eu não as tivesse aprendido. No The X Factor, eu aprendi a usar a pressão como vantagem,”

COSMO: ela explica.

CC: “Tanto que agora eu sinto que posso lidar com situações de pressão – onde você afunda ou nada. […] Isso me deu determinação.”

“Sempre que recebia muita atenção, entrava em pânico.”

COSMO: Ela nem sempre quis ser uma cantora, no entanto. Crescendo em Cuba e após se mudar pro país de origem de seu pai México, ela continuou tímida.

CC: “Tipo muito introvertida,”

COSMO: ela conta. Sua família imigrou pros Estados Unidos, ficando em Miami quando ela tinha 7 anos. “Eu era uma nerd de all stars.” ela acrescenta.

CC: “Música sempre foi meu hobby, mas nunca cantei publicamente. Eu choraria se minha família me pedisse pra cantar para eles. Ou quando cantavam parabéns para mim, porque quando recebo muita atenção, eu entro em pânico. Até hoje, quando estou dando entrevistas, e tem mais de oito pessoas na sala eu fico com ansiedade. É como se tivessem duas partes diferentes de mim.”

COSMO: Então veio como uma surpresa para a família de Camila quando ela anunciou que, para seu aniversário de 15 anos, ela queria ir às audições do The X Factor (US).

Ela me conta a história da festa latina ‘quinceañera’.

CC: “Basicamente, quando você faz 15 anos, os latinos tem esse costume. É como a comemoração americana ‘Sweet 16’, só que aos 15. É quando você se torna uma mulher.” ela sorri.

“Eu estava tipo ‘eu nunca tive uma festa de aniversário e não sei se quero agora’ ao invés disso, eu quis que me levassem ao X Factor – que estavam fazendo audições na Carolina do Norte.”

COSMO: Seus pais concordaram, fizeram as malas e levando sua avó junto à uma viagem de 13 horas. Éramos só nós nesse minúsculo carro durante todo o percurso.” Camila não passou da fase ‘boot camp’, mas mais tarde foi convocada por Simon Cowell e outros jurados para formar o grupo Fifth Harmony juntamente com Ally Brooke, Normani Kordei, Dinah Jane e Lauren Jauregui.

CC: “Nós fizemos muita coisa juntas e passamos pelas mais transforma… transforma… transformadoras! Transformadoras experiências. Desculpa, não tenho dormido por umas duas semanas! Eu fui exposta à área de trabalho que era o meu sonho.” Mas foram cinco anos intensos, fazendo turnês intermináveis por shoppings no começo da carreira. “Eu só lembro de ter espinhas,” diz Cabello. “Espinhas horríveis. Isso é tudo de que me lembro…”

COSMO: O jeito como tudo acabou é um assunto ainda desconfortável para Camila. É a única parte que ela não gosta de falar sobre na entrevista, e me disseram anteriormente que ela não gosta que levem a entrevista a esse assunto. Mas o que é claro é que ela se sentia sufocada no grupo – e começou a escrever material solo desde cedo.

CC: “Comecei a escrever aos 16 anos.” revela Camila.

“Na mesma época em que eu estava gostando de um menino e sendo correspondida. Quando estávamos em turnê, em nossos dias de folga, eu só ficava no meu quarto de hotel e escrevendo no meu laptop.” Sobre o quê ela escrevia? “Meu primeiro namorado, primeiro beijo, primeiro encontro… Eu tinha um bocado de músicas escritas e eu queria me expressar completamente,” ela diz.

COSMO: Logo, sair sozinha e estar no controle das decisões de sua carreira foram incrivelmente libertadores. Você sentiu um peso sair das suas costas?

CC: “Sim, definitivamente,” ela diz. “Ainda me faz bem… Eu amo tomar todas as minhas decisões, porque o produto disso foi algo que me representa completamente. É como fazer meu próprio café da manhã. Tem um gosto melhor do que o de um restaurante, porque é seu, porque você o fez. Foi assim que me senti.”

COSMO: Quando ela saiu da banda, ela tirou suas primeiras férias em cinco anos – uma semana em Cancún. Mas não demorou muito para ela se sentir vazia novamente. E, como resultado, Cabello é muito restrita com o seu honorário esses dias – apesar de que, ela está claramente exausta de toda essa viagem da tour promocional.

CC: “A única coisa que foi difícil [sobre seguir carreira solo] foi que houve um ponto onde eu não tive vida porque estava trabalhando sempre,” ela relata. “Eu estava tipo, ‘Eu realmente preciso de equilíbrio. ‘ E foi assim essa pressa que não tinha tempo. Com poucos meses eu estava falando pra mim mesma, ‘Isso não está me ajudando. O trabalho seria melhor se eu trabalhasse menos intensamente.'”

“Às vezes se as coisas estiverem tipo..” ela inspira longamente para demonstrar sufoco. “Se você não tirar um segundo para ter outra perspectiva, você começa a ver coisas como elas não são.”

COSMO: Outra coisa com a qual Camila teve que lidar foi com seu TOC. Ela disse que, em um certo ponto, ele a acordava “com um batimento cardíaco acelerado e pensamentos bem negativos, intrusivos e compulsivos.”

Hoje ela admite,

CC: “TOC é estranho. Eu sorrio com isso agora. Todo mundo tem diferentes maneiras de lidar com o estresse. E, para mim, se eu fico muito estressada com algo, eu começo a ter o mesmo pensamento várias e várias vezes, e não importa quantas vezes eu chegue numa solução, eu sinto como se algo ruim estivesse prestes a acontecer se eu não continuo pensando nisso. Eu não sabia o que era isso e quando descobri, e aprendi como controlar isso, me senti muito melhor. Eu me sinto muito mais no controle agora. Até o ponto em que eu estava tipo, ‘Aha! Ok, isso é só meu TOC.’ Eu perguntaria uma pergunta à minha mãe pela 4ª vez e ela estaria dizendo, ‘Isso é o TOC. Você tem que deixá-lo ir.'”

COSMO: Cabello aprendeu técnicas de como lidar com isso. “Você não pode entretê-lo e pensar em outra coisa. É tipo se coçar. Você só tem que fazer outra coisa ou você vai acabar encorajando a coceira.”

Trabalhando na indústria musical, ela se preocupa em se exaurir.

CC: “Eu odeio pensar nisso,” ela diz. “Eu não quero ser uma fonte de dor. Isso é um crime para mim porque é a coisa que eu mais amo no mundo. Não quero torná-la em algo que me faça infeliz. Então eu sou muito cuidadosa em relação à minha carreira. Quando sinto que estou chegando a esse ponto, eu falo, ‘Precisamos tirar algumas coisas, você tem que me dar mais dias de folga, algo tem que acontecer.’ Quando você está exausta, você só quer acabar com tudo, e você não quer acabar com algo que você se importa tanto.”

COSMO: É em casa, em Miami, que Cabello escolhe relaxar. “Sinceramente, eu assisto muitos filmes como Harry Potter. É minha coisa favorita de fazer. Eu apenas amo estar na minha casa com minha família. No meu quarto, sozinha. Eu amo isso. É a melhor coisa.”

CC: “Eu passei muito tempo pensando que se eu precisasse descansar então eu não estava trabalhando o suficiente, e agora eu penso o oposto. Eu preciso de tempo para mim mesma, para ser criativa e pensar em ideias e ter experiências com as quais eu possa crescer, escrever sobre e transformar em arte. E não pela minha carreira, mas por mim. Para minha satisfação pessoal. Ninguém ganha nada de mim enquanto estou assistindo Friends o dia todo com meus amigos. Mas é só pra mim, e essa já é uma razão boa o suficiente.”

COSMO: Estar longe de casa é a coisa mais difícil que Camila encontra em sua carreira. “Até hoje é difícil,” ela suspira.

CC: “É a parte mais difícil – estar longe de minha família. Eu não quero nunca me mudar pra Los Angeles porque eu não posso viver longe deles.” Então, quando ela viaja, leva sua mãe junto. “É muito legal, ela é minha melhor amiga. Minha outra metade.”

COSMO: Isso a mantém firme.

CC: “Tem algo sobre estar com sua mãe. Você se sente como uma criança. E sua família não se importa se você fez besteira ou flopou ou se sua música não foi um sucesso. Eles te amam independentemente e isso é muito importante para mim.”

COSMO: Outra pessoa com quem Camila passa muito tempo é com Taylor Swift. Elas se conheceram no VMAs há quatro anos atrás.

CC: “Sim – ela diz sorrindo -, eu a amo. Nós só conversamos sobre garotos. Ela ama amar, e amamos falar sobre isso. É divertido só conversar e sonhar.”

COSMO: Quanto a pergunta de se existe um homem no momento, Cabello não comenta. Mas recentemente ela foi fotografada beijando o britânico coach de relacionamentos e expert em relações da revista US Cosmopolitan’s Matthew Hussey numa praia em San Lucas.

A publicitária de Camila entra na sala e diz que precisamos trocar de sala pois precisam usar o espaço. Nós nos mudamos para sala ao lado, mas eu posso sentir que as últimas duas semanas tiraram o vigor e Camila está fraca.

Como ela lida com o Jet Lag?

CC: “Eu apenas lido com ele, com adrenalina e também alegria. Você tem que ser feliz pois assim se sentirá menos cansada.”

Mas ainda está complicado. “Eu não tenho muito tempo, porque estou sempre trabalhando. E também ficar viajando por lugares diferentes pode ser solitário.” Então seria ela uma viciada em trabalho? “Sim,” ela responde. “Mas eu queria que tivesse mais tempo para que eu pudesse fazer tudo que eu quero. Eu sinto que sou viciada em sonhos. Eu não trabalho só para fazer algo, mas eu sempre tempo que inventar algo novo. Surgir com uma nova música ou ideias para um novo álbum ou clipe.”

COSMO: Ela se considera uma mulher de negócios?

CC: “Aí é que está,” ela diz. “Eu odeio a palavra ‘dinheiro’. Simplesmente não… [suporto]” Ela dá uma pausa, pensando, antes de continuar, “Meu pior medo é fazer um álbum para que ele venda muito ou seja muito bem sucedido. Não quero ser a pessoas que faz músicas no estúdio dizendo, ‘A rádio vai amar isso’ ou ‘Nós ficaremos ricos depois desse single.’ É nauseante para mim. Eu só preciso do suficiente para deixar minha família e eu confortáveis, e têm sido uma bênção para mim poder ajudá-los dessa maneira.”

COSMO: Com isso, nós concluímos a entrevista, porque é o horário do próximo entrevistador.

CC: “Descanse um pouco,”

COSMO: ela diz e eu digo como resposta, “Você também.”

“OK,” ela responde.

Do lado de fora, está um caos. Outro jornalista está esperando para entrar para seu turno, junto com uma grande equipe de filmagem. Mais tarde ela precisa ensaiar para os BRITs, aonde ela estará apresentando um prêmio amanhã à noite. Algo me diz que Cabello não conseguirá o descanso que ela corre atrás por mais um tempo.

CAMILA, o álbum, já está disponível.

 

Fonte: Cosmopolitan UK

Tradução e Adaptação: Equipe CCBR.

Camila Cabello: o som do verão

22 abr 2018

A estrela latina faz seu debut num festival inglês na ilha de Wight esse ano, e oferece dicas de sobrevivência.

Camila Cabello se tornou uma estrela solo depois de sua participação no grupo Fifth Harmony.

Festivais não são glamurosos. Eles envolvem lama, galochas e ficar perambulando com a paisagem de lixo às 4 da manhã com a possibilidade de não encontrar a sua tenda, seu carro e seu juízo. Considere então a dificuldade de uma estrela estrangeira que não está disposta a ficar enlameada, vestir roupas contra a chuva e viver no caos.

“Eu fui ao Coachella uma vez”, disse Camila, falando sobre o festival no deserto da  Califórnia que tem tapetes na área VIP para garantir que nada grude nos pés das celebridades. “Mas é um pouco diferente do festival inglês, me disseram. Eu fiquei numa casa próxima com algum de meus amigos, então apesar de termos visto algumas performances eu confesso que não levei mochila, um agasalho ou repelente. No entanto, eu não quero ir num festival aqui no Reino Unido. Eu soube que eles são selvagens. E chuvosos.”

O desejo da Camila está prestes a se tornar realidade. A pequena México-Cubana-Americana de 21 anos, que se tornou famosa em 2012 com o grupo formado no X Factor americano, Fifth Harmony, antes de sair do grupo para se tornar uma estrela latina do pop com seu hit número 1 Havana, irá performar no festival da ilha de Wight em junho. E apesar de dizer que está ansiosa por ele, não estou completamente seguro o que está prestes a atingí-la.

“Deixe me ver… Eu posso estar preparada pra caminhar sobre lama se estiver com meus amigos,” ela disse. “Quando você está ouvindo uma linda música na chuva e todo mundo tá bem bagunçado, pode se tornar uma experiência de conexão. Você começa sofrendo e logo você não se importa mais. Isso une todo mundo.”

Cabello, que mora em Los Angeles, está geralmente em um vestido rendado no palco junto a dançarinos. Hoje ela está de folga em um moletom e jeans, mas ainda se parece com uma estrela. No entanto, ela diz que planeja participar o máximo do festival com todo mundo.

“Quero fazer meu set e depois checar vários outros. Vou usar uma peruca loira curta, um casaco de chuva e minhas botas Wellington, e seguirei andando.”

Antes de Cabello curtir disfarçada a banda Kasabian e The Killers, ela tem que mudar com as mudanças que a fama trouxe. Minha entrevista com ela, num clube privado em Mayfair, no centro de Londres, é adiada em uma hora mais ou menos por conta dos vários repórteres que tomam conta do seu honorário. A mãe de Cabello está fora do cômodo no qual nos conhecemos, junta com o pessoal que a gerencia, sua gravadora e um homem alto que com certeza é o guarda-costas dela. Não há dúvidas que ela é requisitada.

Acima da sua fama, que veio em maior parte depois de Havana e seu sedutivo charme, ela se tornou uma porta-voz para os jovens latinos nos Estados Unidos. Ela discursou no Grammys desse ano contra o plano do presidente Trump de acabar com o programa DACA. Como parte da introdução à banda U2, ela disse: “Esse país foi feito pelos dreamers, para os dreamers, que buscam viver o sonho americano… Tenho orgulho em ser uma imigrante Méxicana-Cubana, nascida em Havana… E tudo o que sei é que assim como sonhos, essas crianças não podem ser esquecidas e são dignas de luta.” Esse foi o momento no qual ela se tornou um modelo para a sua geração.

“Antes de subir ao palco do Grammys eu disse à mim mesma, ‘Isso não é sobre você. Isso é para as pessoas das quais está falando,'” disse ela sobre o discurso. “Eu estava bem nervosa, mas aí pensei, ‘Quem se importa com o que está sentindo? Isso é sobre fazer o amor  ser maior que o medo e sobre o que as pessoas que estão nessa situação estão passando.’ Logo eu não estava mais nervosa.”

No que diz respeito à atitude do Trump em relação aos imigrantes latinos, ela disse “É bem frustrante. Mas ao mesmo tempo é esperançoso isto está em nossa frente e não podemos ignorar os dreamers ou o controle do armamento. As pessoas estão começando a ter mais empatia com o próximo.”

Ela encolhe os ombros em algo parecido com esperança. Ou pode ser apenas cansaço.

Você pode pensar que isso é bastante para uma pessoa de apenas 21 anos. “Na verdade eu sou extremamente tímida,” disse Camila. “Eu sempre fui introvertida. Tem uma foto do meu aniversário de 9 anos na qual as pessoas estão cantando parabéns pra mim e estou com os olhos cheios de lágrimas porque eu fico emocionada quando tem muita atenção em mim. Isso aconteceu novamente hoje de manhã. Eu estava sendo filmada para uma entrevista e tinhas pessoas da equipe de cabelo e maquiagem no lugar, e eu paralizei. Você tem que parar, bloquear tudo ao seu redor e focar no trabalho.”

Porque, então, ela escolheu uma vida na qual ela precisa passar muito tempo falando e performando para “estranhos”? “Quando você ama algo o suficiente você passa por cima dos seus medos, e quando estou performando… Não consigo explicar. Eu me perco na música e do nada eu não sou eu mesma, eu sou um veículo para qualquer que seja a emoção que eu esteja cantando sobre. Eu me sinto exposta, mas não tão exposta, se isso fizer sentido. Se estou cantando, estou bem. Se ganho um prêmio meu primeiro pensamento é. ‘Ah meu Deus, agora eu tenho que subir lá e falar.’ ”

Cabello, nascida em Havana com uma mãe cubana e um pai mexicano, passou os primeiros cinco anos de sua vida viajando entre os países de seus pais enquanto a sua mãe estudava arquitetura na Cidade do México. Depois a família se fixou em Miami onde, Camila relata “Miami me deu oportunidades melhores, educação melhor, uma casa melhor que meus pais tiveram”. Ela cresceu escutando Michael Jackson e música latina e, depois que sua família contratou TV a cabo, assistiu à High School Musical, The Cheetah Girls e outras versões recentes da cultura pop no Disney Channel.

“Quando você tem nove anos, todos querem ser cantores,” ela diz, descartando a ideia de ter um caminho no meio pop até então. “Todo mundo está colocando fotos de shows de talento em seus quartos. Foi com isso que meus amigos cresceram mas eu não.”

Ela convenceu seus pais a não ter uma festa de debutante – a tradicional comemoração latina para um aniversário de 15 anos de uma garota – e em troca pediu para ser levada às audições da versão americana do The X Factor na Carolina do Norte. “Eu acho que eles pensaram, ‘Essa é uma boa forma de saber se ela pode fazer isso, e com sorte ela se esqueça dessa ideia.’ ” relata Camila. “A experiência no X Factor me ajudou a lidar melhor quando sob pressão, porque você não pode correr. Se não está se sentindo bem naquele dia você ainda precisa estar na TV, performando pro país todo. E não se pode ser ruim ou será mandada pra casa.”

A escola deu lugar para o estudo em casa por conta da vida decorrente do show de talentos. “É muito difícil estudar geometria quando você não sabe a letra de uma música que cantará no dia seguinte,”. “Mas eu consegui meu diploma do ensino médio e aprendi, desde cedo, a não prestar atenção ao que os outros estão dizendo. Aos 15 você lê comentários e pensa, ‘Ai meu Deus, essa garotinha diz que é minha fã.’ Você fica em êxtase. Logo depois você lê, ‘Bem eu não acho que ela é tão bem assim,’ e ‘Ela é horrível,’ você fica insegura e isso estraga tudo. Eu ainda me lembro apenas dos comentários negativos, nunca dos positivos. Não tenho nenhuma rede social no meu telefone. Foi a melhor decisão que já tomei.”

Ela não pode fazer muito quanto aos telefones de outras pessoas. Cabello diz que a parte mais árdua da fama é ter pessoas enfiando câmeras na cara dela ao invés de conversar com ela. “Isso acontece com pessoas que estão animada por estarem com um famoso,”. “Fãs que amam e se importam comigo demostram muito afeto. Não me sinto sugada quando falo com eles. Sou sugada quando pessoas que nem conheço estão me puxando.”

Ela ainda tem que lidar com os paparazzi, um recentemente a fotografou com um suposto namorado, o experiente em relacionamento e britânico Matthew Hussey.

No mundo dos shows de talento, a saída de Camila do grupo Fifth Harmony gerou controvérsias. Tensões subiram quando ela fez uma colaboração com Shawn Mendes em 2015 e, depois de pedidos para auxiliar na escrita de músicas serem negados, ela percebeu que não seria possível escrever seu próprio material e continuar no grupo. Ela saiu em dezembro de 2016 e, depois do sucesso de Havana, lançou seu primeiro álbum solo, Camila, em janeiro deste ano. Que conseguiu o número 1 no chart da Billboard.

“Houveram momentos lindos,” disse Camila, sobre os cinco anos que passou em uma girlband. “Estar com quatro outras garotas a faz melhor porque há uma competição saudável. Você não quer ser a pior do grupo.”

Camila é, para uma mulher crescida em shows de talento, estranhamente pessoal e reflexiva, muitas vezes escolhendo baladas mais lentas à hinos que se tocam na boate. Há canções de amor feitas por ela, mas a maior parte do álbum é sobre ver uma joven mulher latina nos Estados Unidos do século XXI. Não é edge, ou sexy demais, mas na verdade doce. “Eu sou apenas uma bolinha pegajosa,” falou Camila.

Bem, ela será uma dia depois do festival na Ilha de Wight.

Camila Cabello estará na O2 Academy Glasgow, em 5 de junho; O2 Academy Birmingham, em 6 de junho; O2 Academy Brixton, em 12 de junho; e no festival da ilha de Wight entre 21 e 24 de junho.

Tradução e adaptação: Camila Cabello Brasil.

Camila Cabello recebe 4 indicações no #BBMAs 2018

17 abr 2018

Billboard Music Awards, patrocinado pela revista Billboard, é uma cerimônia de entrega de prêmios nos Estados Unidos para homenagear artistas da indústria musical. Até ao ano de 2007, foi realizado em Dezembro. A partir de 2008 passou a ser realizado em maio, e em 2011 passou a ser exibido pela ABC.

Tal como outras cerimônias, esta destina-se à entrega de prêmios, baseados nas vendas e popularidade das tabelas musicais “Fim-de-ano da Billboard”, pesquisada pela Nielsen Company, segundo artista, singles e álbuns, como também número de downloads legais, por gênero. Desde 1992, é entregue um galardão na categoria de Billboard Century Award, embora não tenham sido atribuídos tais prêmios em 2007, 2008 e 2009.

Ano passado, Cabello performou pela primeira vez solo no palco da Billboard Music Awards com ‘I Have Questions‘ e ‘Crying In The Club‘, também recebeu indicação ao prêmio “Top Rap Collaboration” com ‘Bad Things‘, infelizmente perdendo para o Rapper Gucci Mane.

Neste ano, Cabello foi indicada a 4 categorias no Billboard Music Awards. Confira a lista abaixo:

Top New Artist

– Top Female Artist

– Billboard Chart Achievement Award

– Top Collaboration (“Havana” ft. Young Thug)

 

A premiação ocorrerá dia 20 de maio de 2018 no MGM Grand Garden Arena on, Las Vegas.

Never Be The Same Tour: Camila Cabello realiza seu segundo show no teatro Hollywood Palladium em Los Angeles, Califórnia

16 abr 2018

Na noite passada (15), a cantora Camila Cabello levou a Never Be The Same Tour para o teatro Hollywood Palladium – local com capacidade para mais ou menos 3.700 pessoas, na cidade de Los Angeles, Califórnia – pela segunda vez.

Com o teatro lotado, a latina fez outra maravilhosa apresentação com a sua turnê, só que desta vez com algumas mudanças no figurino e penteado.

Além disso, trouxe ao palco uma participação especial do cantor e compositor Pharrell Williams – que também produziu o smash hit Havana – para se juntar à ela em Sangria Wine, música de Pharrell com parceria de Camila.

Saiba mais informações sobre o segundo show de Cabello no Hollywood Palladium logo abaixo:

MEET&GREET

SETLIST:

01. Never Be The Same (vídeo)

02. She Loves Control (vídeo)

03.  Inside Out (vídeo)

04. Bad Things (vídeo)

05. Can’t Help Falling In Love (em breve)

06. Consequences (vídeo)

07. All These Years (vídeo)

08. Something’s Gotta Give (vídeo)

09. Scar Tissue (vídeo)

10. In The Dark (vídeo)

11. Real Friends (vídeo)

12. Know No Better (vídeo)

13. Crown (vídeo)

14. Into It (vídeo)

15. Sangria Wine (vídeo)

16. Havana (vídeo)

FOTOS DO SHOW

DETALHES:

Sexto (6°) show da Never Be The Same Tour

Data: 15 de abril de 2018

Local: Hollywood Palladium – Los Angeles, Califórnia (Estados Unidos)

Capacidade: 3.700 pessoas

Horário: 00h (horário de Brasília)

Never Be The Same Tour: Camila Cabello se apresenta no teatro Hollywood Palladium em Los Angeles, Califórnia

15 abr 2018

Seguindo sua agenda de shows da Never Be The Same TourCamila Cabello se apresentou ontem à noite (14) no Hollywood Palladium, em Los Angeles (Califórnia). Na sua primeira noite de show neste teatro pela sua turnê própria, a cantora performou para mais de 3.500 pessoas, que lotaram a arena.

Não houveram alterações na setlist no concerto de ontem à noite, comparado aos anteriores – primeira noite em Vancouver, segunda em Seattle, seguida de Portland e Oakland –, e você pode conferir tudo o que rolou na quinta noite de Camila pela turnê Never Be The Same através das fotos e vídeos logo abaixo:

MEET&GREET

SETLIST:

01. Never Be The Same (vídeo)

02. She Loves Control (vídeo)

03.  Inside Out (vídeo)

04. Bad Things (vídeo)

05. Can’t Help Falling In Love (em breve)

06. Consequences (vídeo)

07. All These Years (vídeo)

08. Something’s Gotta Give (vídeo)

09. Scar Tissue (vídeo)

10. In The Dark (vídeo)

11. Real Friends (vídeo)

12. Know No Better (vídeo)

13. Crown (vídeo)

14. Into It (vídeo)

15. Sangria Wine (vídeo)

16. Havana (vídeo)

FOTOS

DETALHES:

Quinto (5°) show da Never Be The Same Tour

Data: 14 de abril de 2018

Local: Hollywood Palladium – Los Angeles, Califórnia (Estados Unidos)

Capacidade: 3.700 pessoas

Horário: 00h (horário de Brasília)